Entrevista: Escritor Fernando Risch

11:39

Nasceu em Bagé, Rio Grande do Sul, em 1989, onde reside até hoje. É formado em jornalismo pela Universidade da Região da Campanha e em Marketing, pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto-Uruguai. Sua atividade na escrita começou ainda na faculdade de jornalismo, onde mantinha um blog de crônicas, hoje extinto.
                     

Farris Knox é um escritor que está prestes a lançar seu primeiro livro e vive a expectativa do sucesso. Ele publica a obra na maior editora do país, mas o sucesso demora a vir, fazendo com que Knox adiasse seu sonho de abandonar seu emprego em uma fábrica de sabão para dedicar-se inteiramente à literatura. Com um golpe de sorte, um executivo lê sua obra e o indica a um amigo crítico. Após ser criticado em um dos maiores jornais do país, o tão esperado sucesso chega e o livro torna-se best seller.Mas mesmo com o sucesso, Farris Knox vê sua vida sem propósito e começa a buscar respostas para algumas questões básicas de sua vida. É nesse momento que ele vê e conversa com seis de seus ídolos: George Orwell, Charles Bukowski, Ernest Hemingway, Francis Scott Fitzgerald, Edgar Alan Poe. [...]


 Inspirado na famosa música Hotel California da banda norte-americana The Eagles, o livro homônimo recria de forma romantizada a história obscura por trás do hit. Citando de forma linear a letra parafraseada da canção no desenvolvimento da obra e interpretando-a através de teorias sobre sua origem, Fernando Risch conta a história de Johnny Eagle, um fora da lei que, em uma noite de cansaço, se hospeda em um hotel de beira de estrada e vê seu presente colidindo com seu passado, remontando sua vida, enquanto tenta entender os enigmas do local. Entre teorias sobre manicômio, inferno e vício em drogas, as obscuridades de Hotel California remontam uma história de mistérios que parece não ter fim.



Olá, como vai? Será um prazer entrevista-lo aqui no blog!

O prazer é todo meu!

Qual é a sensação de ter seu livro publicado?

Sensação de deve cumprido. Demorei um ano e meio, após terminar de escrever, para publicar “O homem e seus demônios”, é um alívio. Meu segundo livro, “Hotel California”, será lançado em abril. Faz quase dois anos que acabei de escrevê-lo, a sensação de ansiedade é a mesma.

Tem alguma série de livros que você lê desde criança?

Creio que como todo mundo da minha faixa etária, eu comecei na literatura com a série Harry Potter, mas nunca cheguei a ler todos os livros. Recentemente tive a ideia de retomar, mas não consegui. Acho que depois de certa idade, apesar de a história servir para qualquer geração, ela não funciona para algumas pessoas.

Está se dedicando a algum livro agora?

Atualmente estou finalizando meu terceiro livro, chamado “O corpo de Luana”, que, basicamente, é uma crítica à maneira que a mulher é tratada na sociedade e como ela não tem poder sobre o próprio corpo.

Ainda se lembra da primeira história que escreveu?

A primeira, primeiríssima, que eu consigo lembrar, foi uma redação para a escola. Eu deveria ter uns 11, 12 anos. Escrevi uma história fictícia sobre uma suposta final de Copa do Mundo, que aconteceria um ano depois, em 2002. Fiquei muito orgulhoso com a redação e estava ansioso pra saber minha nota. A professora nunca devolveu o texto e eu nunca soube se saí bem.

Quando você decidiu ser escritor?

Foi durante a faculdade de jornalismo. Um professor nos aplicou uma prova na qual nós deveríamos ler crônicas da Cecília Meireles e o livro “A Sangue Frio”, de Truman Capote. A prova consistia em descrever o assassinato ocorrido no livro do Capote num estilo de crônica da Cecília Meireles. Por ser relapso, não li “A Sangue Frio” na época, mas acabei lendo uma ou duas crônicas para entender o estilo. No meio da prova, o professor saiu da aula e eu perguntei a um colega como haviam ocorrido os assassinatos. Assim, eu consegui completar a prova. Fiquei novamente orgulhoso do que havia escrito. A partir dali, resolvi escrever crônicas em um blog, e uma coisa levou a outra. Minha nota na prova foi baixíssima, pois descrevi os assassinatos completamente diferentes aos do livro, mas valeu a pena.

Seus livros são procurados por algum público especifico ou há grande diversidade?

Não há um público específico ainda. Variam muito e de todas as idades. Muita gente procura o livro “O homem e seus demônios” por ter muitas referências literárias nele. George Orwell, Charles Bukowski, Ernest Hemingway, Francis Scott Fitzgerald, Edgar Allan Poe e José Saramago são personagens do livro e isso acaba atraindo pessoas que admiram esses escritores.

Qual é sua inspiração para escrever?

Em meu blog, escrevi um texto intitulado “O que te inspira?”, abordando essa questão. A verdade é que quando eu concebo a ideia de um livro, ela vem inteira na minha cabeça, do início ao fim. E qualquer coisa pode me inspirar, de um filme a uma música. Cito o exemplo da vez que criei uma história, ainda não escrita, sobre um ditador. O que acabou trazendo essa inspiração foi a música “Applause” da Lady Gaga. À época, eu estava lendo um livro do sociólogo Zygmmunt Bauman e a letra da música misturou-se com o conceito do livro. Ou seja, não há algo específico que me inspire. Talvez tudo.

Você acha que há muita rejeição de livros nacionais pelas editoras?

De certa forma, sim. Mas eu entendo o mercado editorial. Há muitos escritores querendo ter suas obras publicadas e, quer aceitemos ou não, há poucos leitores no Brasil, em comparação a outros países. Somos um continente que não lê. Então as editoras têm de passar um pente fino para selecionar os autores que venderão mais, e isso acaba por criar novos critérios para a seleção, que, às vezes, não é a qualidade textual. Como, por exemplo, se o autor é famoso. As editoras sabem que autores conhecidos, por mais que escrevam livros medíocres, venderão mais que desconhecidos com obras, digamos, razoáveis. Logicamente que quando é detectado um autor promissor, as grandes editoras o abraçam. Se nós olharmos os autores nacionais que mais vendem, estarão entre eles jornalistas de grandes veículos de comunicação, pastores famosos e vloggers.

Pretende escrever uma série futuramente?

Não pretendo. Não sou muito fã de sequencias. Mas não descarto também, já mudei de ideia muitas vezes sobre muitas coisas.

Onde você mais gosta de escrever?

No meu quarto, sozinho e em silêncio absoluto.

Como você encara as críticas de seus livros?

Encaro com naturalidade. Sou consciente das minhas limitações e do potencial da cada obra que escrevo. Ainda não obtive crítica negativa de leitores de “O homem e seus demônios”, muito pelo contrário, está tendo grande aceitação. Mas eu já me acostumei com acrítica negativa, até maldosa. Eu escrevo sobre futebol na ESPN. Não há crítico mais ferrenho que um torcedor que discorda da sua opinião.

Quais livros que você mais gostou como leitor?

Vários, mas cito os dois principais: “A morte de Ivan Ilitch”, de Leon Tolstói, e “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, de José Saramago.

Muito obrigado pela sua presença, tem algo que gostaria de dizer aos leitores?

Leiam mais e incentivem a leitura das próximas gerações. Informação nunca é o bastante.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM:

26 comentários

  1. Olá!
    Bem legal a entrevista!
    Não conhecia o autor, mas parece ter bons livros, vou procurá-los!
    =D

    http://osdragoesdefogo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei incrível seus livros, porém o livro Hotel Califórnia será lançado apenas em abril :(

      Excluir
  2. Adorei a entrevista!! Os livros parecem maravilhosos, contando a capa e a sinopse, já estou encantada só por ser inspirada na música Hotel California *-*

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Michael! Tudo bem? Adorei a entrevista! Ainda não conhecia o Fernando, mas adorei conhecê-lo. As capas dos livros dele são lindas e as premissas também. Espero ler algum em breve.

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, gostei da entrevista! Eu gostaria de que uma simples música me inspirasse também, mas não é assim que acontece.

    Beijos,
    Natália

    www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com

    Participe do sorteio do blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não é assim que as coisas funcionam para mim! Quem dera. haha

      Excluir
  5. Michael, adorei as perguntas e, sobretudo, as respostas de Fernando Risch. Pelas sinopses, os livros desse gaúcho parecem ótimos! Gostaria de ler.
    Um abraço.
    Obrigada pela visita.

    Blog || Fan Page

    ResponderExcluir
  6. Oi Michael!
    Não conhecia o autor, portanto gostei muito da entrevista. Fiquei curiosa sobre seus livros. :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com | Sorteio A Rainha Vermelha

    ResponderExcluir
  7. Olá, Michael.
    Eu não conhecia o autor ainda mas achei os livros interessantes, mesmo não sendo o que eu gosto de ler. Parabéns pela entrevista. Concordo com ele quanto ao mercado editorial. infelizmente as editoras estão interessadas em vender, e isso faz com que pessoas famosas tenham seus livros impressos.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei bem interessante o que o Escritor citou, não tinha pensado por esse lado ainda!

      Excluir
  8. Olá!
    Muito bacana a entrevista :D Adorei conhecer o autor e suas obras, aliás, adorei o trabalho das capas e as premissas das obras.
    Abraços!
    apenasumaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia o autor nem seus livros, mas gostei muito da entrevista.
    Beijos.
    http://recolhendopalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Que legal a entrevista! Não conhecia o autor e nem os livros, mas adorei tudo, ele parece simpatissíssimo!
    Beijoss
    www.vidaemmarte.com.br

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Oii Michael, tudo bom?
    Que entrevista bacana! Achei muito engraçado quando o autor disse que pediu a resposta da prova pro colega, haha, tipo, ele colou, mas falou de uma forma tão normal que precisei ler de novo para perceber que ele tinha realmente feito isso, haha.
    Fiquei muito curiosa com a leitura de O Homem e os seus Demônios, esse título realmente chama a atenção *-*
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Daniele, como vai?
      Nem mesmo eu tinha percebido isso! haha

      Excluir
  13. Oi, tudo bem?
    Já li algumas séries e confesso que também não sou muito fã de sequencias, haha.
    Beijos, http://lendocomabianca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Boa entrevista, com um excelente escritor :D
    Muito bom !
    Kiss Jasmim** | Blog da Jasmim | Instagram | Bloglovin'

    ResponderExcluir