Resenha: Uma vida para sempre

17:26






  Sinopse: Uma vida para sempre - Ethel diz estar morrendo. Contudo, não afirma isso apenas em razão de sua doença. Talvez a única certeza de nossa existência seja a morte, o fato de que ela chega para todos. Mas nem por isso deixa de ser a maior incógnita da vida. Em um hospital, em meio à dor das histórias dos pacientes, Ethel encontrou amigos. Entre passeios em cemitérios, frequentando velórios e enterros de estranhos, ela tenta preparar a si e aqueles que ama, para o que parece estar ali tão próximo, o fim. Entretanto, não esperava enfrentar algumas surpresas que a fizessem duvidar de tal preparação. As estatísticas ruins, a inexorável passagem do tempo. Onde reside a lógica disso que nos arranca pedaços, da súbita inexistência do que outrora era vívido e pulsante? Um corpo que jaz. Palavras que se perdem. A finitude de tudo o que é tão belo talvez seja a maior dor do mundo. Uma vida para sempre é um compilado de desejos, pensamentos e dias. Quanto dura o para sempre? Ethel descobriu. 

   Ethel é uma garota de 17 anos que possui uma doença chamada CIPA - insensibilidade Congênita a Dor com Anidrose -, ou seja, ela é incapaz de sentir dores físicas e de transpirar. Essa ideia pode parecer boa em um determinado ponto de vista, mas não é nem um pouco. Por exemplo: se ela estiver doente, não saberiam e poderiam descobrir isso somente após a sua morte, pois ela não apresentaria nenhuma dor. Ou se a temperatura ambiente fosse alta ou baixa demais, ela poderia morrer sofrendo essa alteração em seu corpo, pois sem transpirar a temperatura do corpo mudaria de acordo com o ambiente.

"A quantidade de horas ou de dias não é o primordial e sim o que fazemos desse tempo, de que forma nos ocupamos dele."

   O primeiro contato de Ethel com a morte foi a do seu pai. E, apesar de sua mãe adotiva negar, Ethel sabia que iria morrer por causa da CIPA. Ela estava preparada para isso, mas não sabia se sua mãe suportaria, além da morte de seu marido, a morte da única filha.

   Ethel saiu da escola por causa de sua doença, e sua mãe também nunca a deixou trabalhar. Os seus únicos amigos eram do hospital onde sempre ia, com exceção de Catarina, sua única amiga que teve durante a escola.

"De fato, sempre foi uma grande ilusão acreditar que, de alguma forma, podemos nos preparar para dizer adeus a quem amamos."

   Ethel era uma garota forte, com sua doença, ela se preocupava apenas em preparar sua mãe para quando sua morte chegasse. Era algo indiscutível, ela sabia que iria morrer e não confiava em ninguém que dissesse o contrario. Mas não era aquele tipo de gente que queria a dó das pessoas ao seu redor, muito pelo contrario.

   Ethel era amiga de Max, um garoto de 9 anos que era um paciente do hospital em que ela frequentava. E em uma visita ela tem a infeliz noticia da morte do amigo. No quarto de Max, Victor estava se escondendo de um começo de tratamento de leucemia, assim ela o conhece e vivem uma grande amizade.

A gente vive desejando o que não pode ter. Acho que apesar de todos os planos que fazemos, todos temos a plena consciência de que nada sairá como planejado. É sempre assim. As coisas simplesmente não acontecem como desejamos.

   Das paginas do diário de Ethel surge o livro, que é narrado em primeira pessoa por ela. Gertrud é uma de suas poucas amigas, uma senhora de 81 anos que tem um espirito bem jovem e com muita sabedoria.

   Já da para imaginar que há um romance ai. Ethel e Victor é o casal que mais shippo em um livro. Dois jovens que, apesar da dificuldade de suas doenças, vivem um grande e lindo romance. Na verdade, o que os juntou foi as suas doenças e diferenças.

É isso. Essas coisas tão ínfimas. Estes curtos segundos e pequenas ações que parecem não possuir sentido algum. Mas, que são grandes. E trazem beleza aos dias monótonos. E nos marcam para toda a existência.

   O livro tem sim a vibe de "A Culpa é Das Estrelas". Confesso que não gostei tanto do romance do John comparado a esse. A cada página uma nova emoção e a torcida para que tudo termine bem.

   Dou cinco estrelas para essa maravilhosa obra. A escrita da autora é suave e se desenrola com muita facilidade. Nas primeira paginas já estamos envolvidos pelos personagens e maravilhados por seus atos.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM:

45 comentários

  1. Oie
    Fiquei curiosa para saber mais do livro, achei o enredo muito bom e diferente. Eu não gostei nada do A culpa é das estrelas, mas pelo visto este melhor. Gostei.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oii, eu amei esse livro!!! Um dos meus favoritos da vida, inclusive tem um post bem especial que fiz sobre ele: http://doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br/2016/06/o-que-eu-penso-sobre-livros-que-mudam.html

    Beijos,
    Natália.

    www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. A culpa é das estrelas me deixou na bad, então procuro evitar livros onde os personagens fiquem doentes ou com essa temática de morte. Mas a capa do livro é muito bonita. Bjus!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
  4. Eu senti a vibe A culpa é das estrelas rsrsrs confesso que não sou fã do sick-lit, geralmente em deixa na bad, mas se é melhor que o do tio Green já me deixa mais animada rs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Olá. Eu detesto livros com essa temática porque sou muito chorona e sofro horrores. Esses dias li Raio de Sol e fiquei com a cara toda inchada rsrs mas eu gostei da proposta do livro e por você ter achado ele melhor que ACEDE eu já fico com vontade de ler (não sou muito fã dos livros do Green não). Beijo! Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  6. Eu sempre sofro com livros assim, mas admito que adorei a sinopse e a premissa dele. Sua resenha ficou ótima, bem objetiva!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Não sou muito desse tipo de história. Não sei se iria gostar tanto da leitura. Mas adorei sua resenha, não conhecia o livro e deu para sentir muito bem a "vibe" que ele tem :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  8. Amei a resenha, Michael! <3

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Eu vou chorar, certo?
    Ótima resenha Michael.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Michael.
    Achei muito boa sua resenha. Tenho que confessar que também não curti o livro do John Green e até fiquei com um pé atrás quando você o mencionou pela primeira vez, mas agora estou curiosa, parece ser um belo livro!
    Beijo
    www.blogleituravirtual.com

    ResponderExcluir
  11. Não sei bem essa seria ou não uma leitura melosa e carregada no drama.
    Gostei de sua resenha, ainda não tinha lindo nada a respeito do livro.
    Beijos
    https://recolhendopalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. oi
    que bom que gostou da leitura, teve uma época que via resenha desse livro em vários blogs e até tinha me interessado, para ter curtindo ele mais que a culpa é das estrelas deve ser realmente bom.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olá.
    Adoro quando livros de autores pouco conhecidos se tornam melhores do que os já consagrados. Apesar do estilo não ser o meu, o fato da boa qualidade da obra me chama atenção.
    Excelente resenha.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de setembro. Serão três vencedores, cada um ganhando dois livros.

    ResponderExcluir
  14. Oii,
    Fico feliz que tenha gostado do livro. Quando comecei a ler lembrei do John sim, mas fico feliz em saber que é melhor ainda.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Twitter

    ResponderExcluir
  15. Oie Michael =)

    Não conhecia o livro, mas assim que comecei a ler sua resenha senti que ele tinha mesmo uma vibe a lá A Culpa é das Estrelas. É aquela coisa né, um livro faz sucesso sendo de um jeito, vários seguindo e mesma fórmula vem atrás.

    O lado positivo é que pelo visto esse consegue trazer algo diferente e mais emocionante.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  16. Olá, Michael!
    COmo você disse lá no meu blog já gosto de um drama, com certeza amaria esse livro. Na verdade namoro ele há algum tempo *---* Só li coisas lindas sobre ele e também acho a capa maravilhosa. Um trabalho ue parece muito bem feito.
    E sim, acho que pela questão de abordar a mesma doença, ele lembra ACEDE, mas olha... ele superou então a coisa é boa mesmo.

    Espero poder ler em breve.

    Um Abraço.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletrasblogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Olá, Michael!

    Quando comecei a ler sua resenha já pensei logo em A Culpa é das Estrelas, mas faço isso com boa parte dos sick lit, confesso. Adorei a premissa do livro e sua resenha me deixou mais curiosa ainda. Sinto que irei me apaixonar pela história de Ethel e Victor. Espero ler logo!

    apenasumaleitura.blogspot.com.br/2016/09/5-motivos-para-ler-encrenca-non-pratt.html

    ResponderExcluir
  19. Não conhecia esse livro, mas que capa maravilhosa! Adorei a resenha <3
    Hey, aceita parceria com o blog? Responde lá ^_^
    Beijos!
    Sorteio de um ano do Borboletas ❤
    Borboletas de Papel | InstagramFanpageTwitter

    ResponderExcluir
  20. Oi Michael, tudo bem?
    Olha, só de você falar que é melhor que ACEDE, eu já gostei, já que não sou fã dos livros de Jhon Green. A temática é bem interessante, e parece abordar o tema doença/morte de uma maneira diferente, gostei muuuito!
    OBS: essa capa é maravilhosa né?
    Adorei a resenha!

    Beijos,
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br
    Participe do SORTEIO DE 1 ANO do Blog!

    ResponderExcluir
  21. Olá, Michael.


    este livro está entre um dos meus favoritos. Li e me apaixonei por todo enredo.
    Confesso que chorei e me emocionei bem mais do que no livro do tio verde.

    Beijos da Camila / Blogs Amigos
    http://cabinedeleitura.com.br

    ResponderExcluir